Tratamento: Terapia Sistêmica Familiar

Conflitos e desarmonia são sintomas indesejados, mas infelizmente bastante comuns em muitas famílias. Sem um norte e sem uma solução viável para conciliar a todos, não é raro ver relações bonitas e laços duradouros se desfazerem em pouco tempo.

A terapia Sistêmica te ajuda a entender como as relações da sua família de origem e atual impactam em seu equilíbrio emocional. Ela também ajuda a lidar com a tensão familiar. Quando um membro da família apresenta um sintoma indesejado, todos os membros desta família estão, de algum modo, sentindo esta tensão. 

Seja na sua estrutura de núcleo (pai, mãe e filhos) ou na mais ampla (avós, tios, primos, genros, etc), as diferenças podem servir de gatilho para uma série de problemas.

Numerosos estudos têm demonstrado que a família se comporta como se fosse uma unidade, agindo de modo a estabelecer um equilíbrio em suas relações. Os membros da família ajudam a manter este equilíbrio, de modo aberto ou velado.   

No entanto, cada conflito desses vai bem além de um simples choque de gerações — e é justamente isso que a Terapia Sistêmica Familiar tenta desvendar.

Para os filhos, por exemplo, os sintomas desses conflitos constituem uma mensagem capaz de distorcer seu próprio crescimento, tudo por conta dos esforços feitos no sentido de aliviar e absorver a tensão existente entre seus pais. 

Quer entender mais sobre a Terapia Sistêmica Familiar e seus benefícios? Continue a leitura!

O que é a Terapia Sistêmica Familiar?

De forma geral, a Terapia Sistêmica Familiar é uma terapia com foco na família, ou seja, individual ou em grupo. 

Muitas abordagens de tratamento são chamadas “terapia familiar”, diferindo, entretanto da definição que será apresentada aqui, uma vez que são orientadas primordialmente pelos membros da família na condição de indivíduos, e não necessariamente à família como uma unidade. 

A terapia sistêmica está focada na análise das relações interpessoais que envolvem as pessoas. O foco da terapia sistêmica está baseado na compreensão dos padrões de comunicação que ocorrem no âmbito familiar, nos locais de trabalho ou nos relacionamentos entre casais.

O objetivo é reconstruir pontes antes abaladas (ou mesmo destruídas) entre os membros, restituindo o diálogo com foco na resolução dos problemas.

Desse modo, a Terapia Sistêmica Familiar busca desenvolver relações calcadas no respeito entre os membros da família, que sejam saudáveis ao máximo e repletas de harmonia.

É utilizada tanto para famílias em busca de conciliação entre si, como àquelas à frente de negócios familiares e que, em seu dia a dia, enfrentam muitas discordâncias na comunicação

Como surgiu?

A Terapia Familiar tem uma origem ramificada, pois há diferentes tipos de atuação em cima do tema no mundo. 

Especificamente a Terapia Sistêmica Familiar surge no Estados Unidos na década de 60, através de Virginia Satir, na Terapia Familiar Conjunta, no Psicodrama de Jacob Levy Moreno, na análise Transacional de Eric Berne e na PNL.  Incorporou também as  teorias e elementos da Teoria Geral dos Sistemas de Ludwig Bertalanffy.

Na década de 70, Bert Hellinger foi várias vezes aos EUA para adquirir estas formas terapêuticas e também para estudar terapia primal de Arthur Janov,  e especialmente a Terapia Familiar Sistêmica de RUTH McClendon/Leslie B. Cadis e a Hipnoterapia de Milton Erickson.

Bert Hellinger não transferiu apenas estes conhecimentos, como criou o “Método Hellinger”, que questionou os dogmas da psicologia, através de um trabalho fenomenológico. Seu método, em alemão, se chamava na tradução literal “configuração familiar”. Porém, na tradução para países outros países, teve a infeliz tradução para constelação familiar, como atualmente conhecemos. 

Como a Terapia Sistêmica Familiar é feita?

Normalmente, são sessões de até 1 hora e 20 minutos de duração, com uma frequência que varia de acordo com a necessidade, podendo ser semanal ou quinzenal.

Como dito, a Terapia Sistêmica Familiar propõe uma vivência que pode ser  individual ou em grupo. Por isso, para ampliar a percepção, utilizamos bonecos e materiais para potencializar a percepção dos movimentos conscientes e inconscientes na questão abordada.

Sentam-se em uma mesa presencialmente, ou em frente de uma câmera nos atendimentos on-line, em ambiente bem iluminado, e privativo. No caso de acompanhar crianças, é comum a possibilidades de brincadeiras.

No início, o terapeuta se encarrega de conduzir a conversa, buscando entender os motivos que os levaram a busca por ajuda. Não é necessário se exceder na fala, apenas ir  direto ao ponto, na questão que o cliente quer trabalhar. 

Com essa parametrização das questões, o terapeuta consegue planejar vivências práticas de ampliação de consciência e define “tarefas”, que são acordadas, o que realmente faz sentido a ser investigado e aplicado.

Nas sessões seguintes, o cliente e o terapeuta avaliam os avanços em uma conversa franca e aberta, verbalizando as mudanças percebidas e quais os próximos passos.

O papel do terapeuta na Terapia Sistêmica Familiar não é de interferir, nem julgar ou apontar o que se deve ser feito. Na verdade, ele se mostra mais como um amigo qualificado, capaz de organizar uma vivência e um diálogo profundo de mudança, dando espaço para o novo surgir.

Que tipo de problemas a Terapia Sistêmica Familiar pode ajudar a resolver

Normalmente, os problemas familiares rondam bastante o espectro dos emaranhados sistêmicos de gerações, traumas familiares e falta de diálogo.

No entanto, a Terapia Sistêmica Familiar também pode abordar alcoolismo e outros vícios químicos, depressão, bulimia e outros transtornos alimentares e mesmo quadros de depressão.

Problemas financeiros, profissionais, relacionamentos que não dão certo e doenças físicas e emocionais também podem ser abordadas.

Ou seja, problemas que podem ter origem em relações conflituosas e desarmoniosas entre familiares, ou também em destinos difíceis, que se repete problemas familiares de forma inconsciente. 

Quais os benefícios da Terapia Sistêmica Familiar?

Um dos principais benefícios da Terapia Sistêmica Familiar é paz interior e a paz familiar, para que cada membro da família possa trilhar novos caminhos, ter uma comunicação amorosa e que todos possam vivenciar a liberdade, autoestima e autovalor.  

A terapia serve para dar contorno a esses problemas e encontrar formas de resolvê-los, apostando também no desenvolvimento pessoal de cada um. Trata-se de uma forma de acessar sentimentos desconhecidos — e muito bem-vindos.

Entre os principais benefícios, a Terapia Sistêmica Familiar:

  • Construir pontes que levem à mudanças construtivas no ambiente familiar, harmonizando as relações;
  • Permite reconhecer padrões que geram comportamentos tóxicos ou danosos em qualquer nível;
  • Possibilita a compreensão da importância do diálogo aberto e do respeito ao próximo;
  • Melhora e torna a comunicação entre os membros da família mais transparente;
  • Facilita a compreensão do papel de cada um na melhor no sistema familiar familiar;
  • Potencializar o senso de responsabilidade de cada membro da família;
  • Promove o autoconhecimento individual e familiar, para compreender a história da família, de um ponto de vista mais saudável e equilibrado.

Ficou interessado na Terapia Sistêmica Familiar e quer saber como eu posso ajudar você e sua família para criarem a vida que deseja viver?  Marque uma conversa comigo!

Posts Relacionados

Informações Gerais

Localização

R. João Planincheck, 1990 – Sala 611 – Jaraguá do Sul, SC

Horários de Atendimento

Segunda a Sexta-feira:
8h30 às 18h30

Por Josiane Ferreira

Trabalho com terapias e serviços personalizados de transformação para pessoas, famílias e empresas, e também para aqueles que acreditam na própria evolução, tudo é possível através da nossa capacidade humana de generatividade.
i

Leia Também:

Pensamento Sistêmico Complexo: Como a vida é uma troca?

Pensamento Sistêmico Complexo: Como a vida é uma troca?

Vamos falar sobre um tema que envolve o chamado Pensamento Sistêmico Complexo: o fato de a vida ser uma troca. Sim, quer queiramos ou não, a vida é uma constante troca. Aliás, o universo inteiro é troca. A questão aqui é entendermos que essa troca precisa ser justa e...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *